(55) 3028.6888 | (51) 3723.1502 | (55) 99905.3373

Blog

Novidades e conteúdo exclusivo sobre saúde ambiental.

Os cupins são conhecidos por corroer rodapés, batentes e móveis. No entanto, uma infestação pode comprometer estruturas maiores, como o telhado de uma casa. Alojadas no forro de madeira, essas criaturas conseguem causar prejuízos incalculáveis.

Cupins causam estragos na madeira

Os cupins de madeira seca são aqueles que deixam um pozinho amarelado por onde passam. Acúmulos desse resíduo são sinal de alerta.

As colônias se alojam dentro de vigas e paus que dão sustentação ao telhado. Nem é preciso imaginar o que acontece em situações mais avançadas, né? A deterioração é tão grande que ameaça toda a cobertura da edificação.

Muita gente acha que esses animais atacam as residências apenas durante o verão. Ledo engano. Eles se reproduzem em épocas quentes e chuvosas, sendo mais comum observar revoadas em dias assim. Contudo, a praga permanece atuante pelo ano inteiro. Mesmo escondidos, os bichinhos seguem seu caminho de destruição.

Cupins no forro podem vir do solo

Apesar do nome, os cupins de solo também ameaçam o forro de madeira de comércios e moradias. Essa espécie vive na terra, mas sai do cupinzeiro em busca de alimento.

Os animais têm mandíbulas poderosas. Conseguem abocanhar concreto e outros materiais não celulósicos para abrir espaço em direção à madeira. Assim, podem se aproveitar de frestas na parede e até destruir a fiação elétrica do teto. Não se admire, caso haja um curto-circuito na hora de acender as lâmpadas da sala.

A atenção maior vai para construções antigas. Até meados do século XX, era comum que os forros das casas tivessem uma estrutura de madeira e fossem revestidos com estuque, uma argamassa feita de gesso, água e cal.

Como controlar cupins no telhado

Existem soluções caseiras para afastar cupins. O óleo de laranja é um repelente e inseticida natural. Porém, apresenta preço elevado e pode não surtir efeito em infestações mais graves.

Já foi costumeiro apelar ao querosene para lidar com a praga. A questão é que a substância é tóxica e altamente inflamável. Ou seja, seria uma péssima ideia encharcar, com esse líquido, a cobertura de um prédio.

O controle de cupins e brocas deve ser realizado por uma equipe especializada. O procedimento consiste numa investigação técnica para identificar as áreas de ataque e as espécies invasoras. Depois, aplica-se um produto específico, que resolve o problema sem apresentar perigo aos moradores do lugar.

O serviço tem garantia de 12 meses. Entre em contato com a Desinservice e proteja seu patrimônio! Atendemos em todo o Rio Grande do Sul. Fones: (55) 3028.6888 / (51) 3723.1502.