Blog

Novidades e conteúdo exclusivo sobre saúde ambiental.

É praticamente impossível acabar com as pragas urbanas. Elas vivem nos esgotos, em terrenos baldios e em lixões. Para piorar, insetos e ratos se reproduzem com bastante rapidez. Por isso, o máximo que a gente consegue é adotar medidas de controle, como a dedetização do condomínio.

Esse procedimento cria uma barreira química na área, impedindo o acesso de seres indesejados. Assim, seu patrimônio fica protegido dos estragos. Já sua família permanece livre de doenças causados por mosquitos, roedores e outros bichos asquerosos.

Mas quem deve pagar pelo controle de pragas no seu prédio ou conjunto habitacional? Vamos esclarecer as dúvidas logo mais. Continue conosco!

Dedetização no apartamento

Via de regra, o proprietário é a pessoa responsável pela manutenção do imóvel. Ele deve arcar com todos os serviços de pintura, instalação elétrica, conserto hidráulico e por aí vai. Esses procedimentos melhoram a segurança do ambiente, além de valorizar o apartamento no caso de uma venda ou locação.

O controle de pragas também entra na lista de cuidados. Por exemplo, digamos que haja uma infestação de formigas na cozinha. Inseticidas comuns apenas espantam os insetos, que fogem para trás dos móveis e dos azulejos. Então, é preciso contratar uma imunizadora – empresa especializada no combate às pequenas intrusas.

Se você está pensando em botar sua casa para alugar, lembre-se de investir numa desinsetização completa. Isso garante que o local esteja em perfeitas condições de ser habitado.

Porém, vale ressaltar que alguns problemas decorrem do uso do imóvel. Nesse caso, o inquilino deverá pagar as despesas.

Imagine que a resistência do chuveiro queimou. O próprio locatário vai substituir a peça, certo? E quando acontece uma invasão de cupins durante uma noite quente de primavera? Da mesma forma, cabe a ele procurar uma solução para preservar os móveis de madeira. Recomendamos a descupinização profissional.

Saiba mais: Dicas de manutenção predial para evitar prejuízos no imóvel

Controle de pragas no condomínio

Nem só de casas ou apartamentos é feito um conjunto residencial. Há áreas de uso comum, como playground, salão de festas, lavanderia, garagem e jardim.

Esses espaços também podem sofrer a ação de pragas urbanas. Dos ratos que sobem pelos bueiros aos mosquitos da dengue que se reproduzem na caixa d’água, existem diversas ameaças aos moradores. E elas precisam ser combatidas.

Cabe ao síndico instituir medidas para o controle de pragas no condomínio. A principal delas é a contratação de uma equipe responsável pela dedetização. A escolha da empresa pode ser feita durante assembleia.

É importante que os condôminos estejam de acordo com a realização do procedimento. Não se trata apenas de uma questão financeira – afinal, o investimento em imunização das áreas comuns será dividido entre todos. Essa é uma questão de saúde pública. Sem o controle químico, pode haver infestações graves de insetos na região, o que aumenta o risco de transmissão de doenças.

Você é síndico ou administrador de condomínio? Então baixe nosso e-book com dicas para facilitar o seu trabalho.

Manutenção de CONDOMÍNIO: 7 coisas que todo síndico deve saber

Como escolher a dedetizadora para o condomínio

Ratos, pombos, baratas, formigas e cupins: todas essas criaturas oferecem problemas diferentes. Algumas espalham sujeira, enquanto outras corroem móveis e fiações elétricas. O resultado? Prejuízo material, deterioração do patrimônio e possibilidade de acidentes.

O pior é que a maioria das pragas consegue se esconder com facilidade, exigindo medidas drásticas para acabar com a infestação. Nessas horas, muitos leigos recorrem a venenos comprados no varejo. Está errado! Esses produtos eliminam somente os bichos que estão na superfície. Dificilmente atingem o núcleo da colônia.

Vendo que o problema continua, a solução seria aumentar a dose, certo? Não. A alta concentração de substâncias tóxicas no ambiente representa um perigo à saúde dos vizinhos. Pode haver alergias, dificuldade respiratória e até intoxicações mais graves.

Cada praga urbana demanda um tratamento específico, que respeite regras para preservar o meio ambiente e o bem-estar das pessoas. Apenas equipes profissionais possuem os equipamentos e a técnica para isso.

Tem até resolução específica sobre o assunto. É a RDC 52, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O texto determina as condições para o funcionamento de companhias especializadas em controle de pragas. Só as empresas que sigam essas exigências estão aptas a realizar o serviço.

No Rio Grande do Sul, as imunizadoras devem ter licença de operação concedida pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luís Roessler (Fepam). Esse é o órgão que autoriza e fiscaliza a atividade em solo gaúcho.

Portanto, ao contratar uma dedetizadora, exija licença da Fepam. Lembre-se, também, de que a imunização deverá ser renovada periodicamente. Isso porque os domissanitários utilizados no processo têm meia vida limitada, isto é, perdem o efeito depois de alguns meses.

Além da desinsetização, recomenda-se contratar o serviço de higienização de reservatórios a cada semestre. Essa medida evita a proliferação de bactérias, fungos e protozoários nas caixas d’água. Também ajuda a reduzir a reprodução de insetos, principalmente o mosquito Aedes aegypti, transmissor de dengue, zika e chikungunya.

Saiba mais: Tire suas dúvidas sobre limpeza da caixa d’água

Outras medidas para reforçar o controle de pragas

O controle integrado de pragas vai além da desinsetização química. Cada morador deve fazer sua parte para diminuir a incidência de seres indesejados. Confira algumas dicas que podem se transformar em regras do condomínio:

– Limpar vasos de plantas e outros objetos que possam acumular água da chuva (o que os torna criadouros de mosquitos);

– Recolher o lixo diariamente e depositá-lo nos locais apropriados, pois os resíduos atraem insetos e ratos;

– Manter as tampas dos ralos e dos bueiros sempre fechadas;

– Descartar os restos de comida e lavar a louça após o uso de quiosques, churrasqueiras ou salões de festa.

Esses hábitos, junto com a dedetização profissional, vão melhorar bastante o dia a dia da vizinhança. Não há praga que sobreviva a tantos cuidados!

Saiba mais: Como planejar o calendário de renovação do controle de pragas

A Desinservice oferece vantagens para clientes residenciais. A modalidade de contrato condominial prevê a renovação automática dos serviços, bem como o controle periódico dos procedimentos. Com a emissão de relatórios técnicos, nossa equipe consegue realizar a gestão das operações, verificando os pontos críticos e sugerindo melhorias para afastar de vez as pragas.

O melhor de tudo é que, assim, você poupa tempo e dinheiro. Ter uma empresa fixa de desinsetização evita o retrabalho com a contratação de diferentes fornecedores. Ainda, pode-se operar com parcelas reduzidas e preço especial tabelado para os condôminos.

Quer saber mais? Entre em contato conosco e solicite um orçamento para controle de insetos, controle de ratos ou controle de cupins e brocas. Também atuamos com higienização de reservatórios e com desentupimento.

Fones: (55) 3028.6888 / (51) 3723.1502. Whatsapp: (55) 99905.3373. Atendemos em todo o Rio Grande do Sul.

Orçamentos para Controle de Pragas, Sanitização e Higienização de Reservatórios