(55) 3028.6888 | (51) 3723.1502 | (55) 99905.3373

Blog

Novidades e conteúdo exclusivo sobre saúde ambiental.

É verdade que eles destroem móveis, portas e até o forro do telhado. No entanto, acredite: cupins não se alimentam de madeira. Pelo menos, não exatamente. Continue a leitura e entenda por que esses animais causam tanto estrago.

Como funciona a digestão dos cupins

Os cupins têm mandíbulas fortes. Apesar de minúsculos, eles conseguem perfurar tábuas, fiações elétricas e paredes de concreto para ir atrás de comida.

Cada espécie tem preferência por um tipo de alimento. As mais conhecidas no Brasil são os cupins de madeira seca e os cupins de solo, com características distintas. Porém, eles mantêm um traço em comum: adoram materiais ricos em celulose.

Esse componente está tanto na mobília de madeira quanto no papel, no gesso e em tecidos de fibras naturais. Só que o organismo de um cupim não consegue digerir a celulose. Ele precisa da ajuda de parasitas que vivem no intestino.

As bactérias produzem celulase, enzima que quebra as células vegetais. Protozoários ou fungos também podem viver no corpo do animal e aproveitar a celulose ingerida.

Depois que os parasitas comem as partículas de madeira (ou o que for), eles fazem a digestão e excretam. É dessa excreção que os cupins retiram os nutrientes para sobreviver. Dá para imaginar?

Incidência de cupins aumenta na primavera

Agora você já sabe que cupins não se alimentam de madeira, mas precisam dela para sobreviver. E, com a chegada da primavera, cresce a preocupação com novas infestações dessa praga poderosa.

Devido às condições climáticas da época, as espécies são estimuladas a produzir filhotes alados. Conhecidos como siriris e aleluias, esses bichinhos saem em revoada para encontrar nova moradia. Depois que perdem as asas, juntam-se em colônia e começam a procriar.

A vegetação primaveril, mais variada, é outro atrativo para cupins. Portanto, se você vive em uma área arborizada, deve redobrar os cuidados para evitar invasões em casa ou na empresa.

Ao notar furos nos móveis ou acúmulo de um pozinho granulado, preste atenção. Esses são indícios de que há um cupinzeiro “fazendo a festa”.

Ainda bem que existe o serviço profissional de controle de cupins e brocas. Também chamado de descupinização, o procedimento tem ação curativa e preventiva. Ou seja, elimina focos de infestação e impede que novas criaturas se instalem no ambiente.

A Desinservice conta com uma equipe especializada para realizar a tarefa, mesmo nas situações mais difíceis. Evite prejuízos ao seu patrimônio! Entre em contato conosco e solicite um orçamento. Fones: (55) 3028.6888 / (51) 3723.1502. Atendemos em todo o Rio Grande do Sul.

Orçamentos para Controle de Pragas, Sanitização e Higienização de Reservatórios