(55) 3028.6888 | (51) 3723.1502 | (55) 99905.3373

Blog

Novidades e conteúdo exclusivo sobre saúde ambiental.

A contaminação cruzada ocorre quando microrganismos são transferidos de um alimento para outro. Erros na manipulação e no preparo da comida são a principal causa para esse problema, que pode acarretar doenças nos consumidores. Por isso, restaurantes, refeitórios e similares devem seguir normas de boas práticas. Confira.

Como acontece a contaminação cruzada

Carnes cruas e vegetais não lavados carregam microrganismos, muitos deles patogênicos. Quando você corta um peito de frango, por exemplo, as bactérias podem ser transportadas para a tábua, a faca e até a bancada da cozinha.

Agora imagine utilizar os mesmos equipamentos para fatiar uma carne já cozida. Pois é: os parasitas acumulados na tábua, na faca e na bancada chegam até o prato final, podendo ser ingeridos por uma pessoa e causar danos à saúde.

Muito se fala nos perigos de comer alimentos crus. De fato, o cozimento acima dos 70°C já garante um consumo mais seguro. Porém, também é preciso evitar a contaminação cruzada e, para tanto, os cuidados com a higienização das superfícies são fundamentais. A seguir, conheça recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa):

– Separe carnes e peixes crus de outros alimentos;

– Mantenha os produtos em recipientes fechados para que não haja contato entre eles;

– Utilize diferentes utensílios, como facas ou tábuas de corte, para alimentos crus e para alimentos cozidos;

– Lave bem os equipamentos e as mãos após manipular ingredientes crus;

– Guarde na geladeira a comida preparada no fogão, mesmo que ainda esteja quente.

Limpar a caixa d’água ajuda a prevenir contaminação cruzada

Você viu que lavar bem os utensílios de cozinha ajuda a evitar a contaminação cruzada. Mas o que fazer quando a água é imprópria para essa tarefa?

Sim, isso também pode acontecer. Agentes patógenos costumam se proliferar em caixas d’água que não recebam a higienização correta. Além disso, reservatórios com rachaduras ou outras avarias servem de abrigo para ratos, insetos e pombos. Todas essas pragas estão associadas à transmissão de doenças.

Portanto, a Anvisa estabelece que as empresas façam manutenção periódica e limpem o recipiente, no máximo, a cada seis meses. Dica: uma equipe profissional auxilia na remoção das incrustações e realiza a desinfecção bacteriológica, assegurando mais qualidade ao ambiente.

Quer saber mais sobre segurança sanitária em empresas do ramo alimentício? Então baixe gratuitamente nosso e-book Alimentos mais que saudáveis.

Esperamos que o artigo de hoje tenha esclarecido suas dúvidas sobre contaminação cruzada. Entre em contato com a Desinservice e solicite um orçamento para higienização de reservatórios. Também atuamos no controle de pragas em empresas e residências. Fones: (55) 3028.6888 / (51) 3723.1502. Atendemos em todo o Rio Grande do Sul.

Orçamentos para Controle de Pragas, Sanitização e Higienização de Reservatórios